Criativo, Jadir Battaglia não tem medo de experimentar e ousar.

07.11.2008

Matéria do Jornal A Tribuna sobre a abertura da Exposição Germenes na Galeria de Arte do CCBEU. Matéria publicada em 07.08.2008


O artista plástico e designer santista Jadir Battaglia nunca teve medo de experimentar e ousar. Já passeou por diversas técnicas e materiais, desde que mostrou seus primeiros trabalhos na Casa Natal 98. Há cinco anos sem expor sua última mostra individual foi mArte , ele exibe sua nova linguagem artística esculturas em Gérmenes, que tem vernissage hoje às 20 horas na Galeria de Arte do Centro Cultural Brasil -Estados Unidos (CCBEU). "Vinha expondo minhas obras em mostras de decoração. O nicho principal do meu ateliê era a pintura, mas a escultura passou também a ganhar espaço no meu trabalho há cinco anos, tempo necessário para o meu amadurecimento na técnica e para me tornar mais seguro ao mostrá-la em uma exposição", avalia. O título da mostra, Gérmenes, tem tudo a ver com o momento de transição que vive, diz o artista. "O termo significa semente e o início do meu trabalho como escultor. Já fazia esculturas, mas agora considero oficial". Na exposição, Jadir exibe 15 esculturas de resina que chegam a medir dois metros, criadas, a maioria, para decorar paredes. "Elas ganharam variações de tons de branco, algumas têm pedras, e podem ser usadas na horizontal ou na vertical para decorar o hall de entrada ou as paredes em cima do sofá ou da cama do casal", diz.

DIÁLOGO

Para o artista plástico, a escul- tura é uma linguagem mais contemporânea e permite a formalização de um diálogo melhor com o público. Mas esse namoro com a nova linguagem artística não significa o abandono da pintura. "As pessoas me cobram para que pinte e eu gosto sempre de experimentar outras técnicas. A minha escultura descende da minha experiência com a pintura", conta Battaglia, que descobriu a paixão pela arte na Inglaterra, onde viveu de 89 a 96. Lá, trabalhou em uma loja de departamentos e, nas horas de folga, fez cursos de figura decorativa. Desde então, dedica-se à pintura e à pesquisa de materiais. Gérmenes é fruto desses estudos e de muita experimentação. Os primeiros ensaios foram feitos utilizando a madeira. "Mas a madeira é dura e não dava a plasticidade que a resina oferece. Nessa pesquisa de materiais, contei com a ajuda de Kleber Fontes para encontrar a melhor forma e o resultado desejado". Através das obras, Jadir Battaglia pretende dialogar com o público, proposta que mantém desde a apresentação de 12 painéis com materiais diversos, de tinta automotiva à folha de ouro importada, na Casa Natal de 98. "A mostra traduz meus impulsos criativos, é consequência dos meus caminhos, da minha história".

Elcyra Nuñez y nuñez